Mostrando postagens com marcador voluntários. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador voluntários. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 5 de junho de 2017

+++ de 50 crianças na celebração da VIDA

Depois de uma semana chuvosa, um sábado com sol colaborou para a celebração da vida.
Obrigado aos voluntários pela ajuda.










segunda-feira, 15 de maio de 2017

Cuidar do meio ambiente é uma ação diária !!!

1337 muse da vida biomas brasileiros entrevista
Foto: Felipe Barbosa
O Brasil é o país com maior diversidade do planeta. Juntas, a fauna e a flora brasileira representam 20% de todas as espécies do mundo e fazem com que o país tenha uma grande responsabilidade perante a comunidade internacional.
Contudo, a preservação do meio ambiente ainda deixa a desejar. Segundo dados do Environmental Performance Index (EPI), elaborado pela universidade de Yale e Columbia (Estados Unidos), o Brasil está no 77º lugar entre os países que lidam melhor com o meio ambiente, atrás de nações com realidades bem próximas, como o Chile (29º) e o Egito (50º).
Para conhecermos mais sobre os biomas brasileiros, como proteger a biodiversidade existente em nosso país e quais ações podemos realizar em nossas casas, conversamos com a Ir. Veroni Medeiros, educadora e assistente técnica da Pastoral da Criança. E, também, com Gabriele Sturm, engenheira ambiental e curadora da exposição “Biomas brasileiros e defesa da vida”, apresentada pelo Museu da Vida, localizado junto à sede da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança, em Curitiba (PR).
veroni medeiros
Irmã Veroni Medeiros

Por que o Museu da Vida está realizando a exposição com o tema “Biomas brasileiros e defesa da vida”?

Ir. Veroni: A ideia é estabelecer sintonia com a caminhada da Igreja no Brasil. Na Carta Encíclica “Laudato Si”, o Papa Francisco desafia a humanidade sobre os cuidados com toda a natureza, a nossa “casa comum”. Em vista dessa reflexão, o Museu da Vida criou a exposição “Biomas brasileiros e defesa da vida”, especialmente para apresentar ações de cuidado e cidadania. E, também, ser uma demonstração de comprometimento com a criação e as gerações futuras.

O que o visitante pode ver nesta exposição?

Ir. Veroni: Na exposição, o visitante pode brincar com as crianças, realizar jogos e mostrar a importância de reciclar o lixo corretamente, cuidar da qualidade da água evitar o desperdício, não jogar o lixo no chão e proteger o meio ambiente de muitos males.
1337 muse da vida biomas brasileiros entrevista gabriele sturm
Gabriele Sturm

Gabriele, de que maneira o meio ambiente está sendo degradado?

Gabriele: Vivemos em uma sociedade onde o consumismo é desenfreado, o que gera diversos impactos, já que é preciso explorar o meio ambiente para retirar a matéria-prima necessária. Dessa forma, vemos acontecer a derrubada de florestas para a retirada da madeira e para a ocupação de área para agricultura ou  pecuária. Vemos a produção de toneladas de resíduos todos os dias, que nem sempre são descartados corretamente ou reaproveitados e reciclados. Vemos as ruas tomadas cada vez mais por carros que poluem o ar que respiramos e contribuem para o aquecimento global.

Quais são as consequências dessa degradação para as pessoas que habitam os diversos biomas e também para o próprio meio ambiente?

Gabriele: Como consequência do impacto causado pelas nossas atividades ao meio ambiente, podemos citar o aquecimento global. O aquecimento global tem como consequência o derretimento das calotas polares e o aumento do nível dos oceanos. Além disso, os países estão sendo castigados por ondas de calor ou frio muito intensos, fortes furacões, desertificação, entre outros. Além disso, também podemos citar como consequência a poluição das águas causada pelo despejo irregular de esgoto ou pelo lixo descartado incorretamente, e também pela utilização de agrotóxicos de maneira descontrolada. Também temos a extinção de algumas espécies devido à caça predatória.

Que ações concretas cada um de nós pode fazer para recuperar e preservar a natureza?

Gabriele: Existem ações muito simples que podemos colocar em prática para reduzir nosso impacto. Começando pela geração de resíduos e seu descarte. Para isso, podemos, por exemplo, utilizar sacolas retornáveis ao invés de sacolas plásticas no mercado, podemos construir uma composteira para transformar nosso resíduo orgânico em adubo. Já em relação à água, devemos fechar a torneira quando estivermos escovando os dentes, reaproveitar a água da chuva para regar o jardim e não tomar banhos demorados. Para evitar a poluição do ar, podemos usar meios de transporte alternativos, como as bicicletas ou o transporte público. E também, preservar as áreas verdes que contribuem para boa qualidade do ar.
Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança. Ouça o programa de 15 minutos na íntegra
Programa de Rádio 1337 - 15/05/2017 - Museu da Vida - Biomas brasileiros e defesa da vida
Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Ciência comprova: ser voluntário faz bem à saúde!!




Em geral, ajudar os outros é a maior motivação para quem realiza trabalho voluntário. O que poucos sabem é que a prática também melhora a vida de quem se dedica a fazer o bem. Palavra de cientista! 

Recentes estudos mostram que pessoas engajadas em atividades não remuneradas em prol da comunidade são mais saudáveis, realizam mais exames preventivos e passam menos tempo em hospitais que o resto das pessoas. Algumas até emagrecem!
Separamos alguns exemplos de pesquisas que comprovam que ser voluntário faz bem a todos  - inclusive você

Quando doentes, voluntários ficam menos no hospital


Uma pesquisa da Universidade de Harvard publicada no fim do ano passado e feita com cerca de sete mil pessoas com mais de 50 anos nos EUA, mostra que voluntários são mais preocupados com a própria saúde e, portanto, fazem mais exames preventivos. As voluntárias, por exemplo, são 53% mais propensas a fazer mamografia do que não-voluntárias. Além disso, quando adoecem, voluntários em geral passam 38% menos tempo em hospitais que o resto da população.
Os cientistas de Harvard não sabem precisar a causa desses números, mas levantam hipóteses interessantes: o voluntariado diminui o estresse, o que melhora as condições de vida de quem o faz; ao se expor a diferentes pessoas, com diferentes problemas, cresce a consciência da necessidade de se cuidar; surge um objetivo de vida maior, o que aumenta a sensação de bem-estar.
Mais interações sociais podem incrementar a chance de alguém receber conselhos de saúde ou mesmo adotar um objetivo de vida mais saudável”, escrevem Eric Kim e Sara Konrath.

Doe tempo e perca peso


Parece mentira, mas é verdade. Outro estudo, feito por pesquisadores das Universidades de British Columbia, Northwestern e da Escola de Medicina Monte Sinai  com adolescentes canadenses em 2013, aponta que os jovens que dedicaram ao menos 1,5 hora por semana a ajudar pessoas eram mais magros que os demais. Além disso, encontraram taxas de colesterol e pressão menores, entre outros indicadores de boa saúde. 
Estes achados são significativos pois apontam que jovens engajados no voluntariado não apenas ajudam os outros, mas beneficiam a si próprios, sugerindo uma nova maneira de melhorar a saúde ao mesmo tempo em que fazem contribuições positivas para a sociedade”, escrevem Hannah Schreier, Kimberly Reichl e Edit Chen.

Viva mais


Os dois recentes estudos confirmam dados anteriores. Por exemplo: uma pesquisa de 2013, feita por pesquisadores da Universidade do Arizona (EUA), mostra que voluntários vivem até 24% mais que a população em geral. Outra, da Rutgers University (EUA) vai na mesma direção: a taxa de mortalidade de quem realiza algum tipo de serviço social era 27% menor do que a do resto da população.
Todos os pesquisadores afirmam que apenas ser voluntário não basta para melhorar a saúde. Para eles, no entanto, a prática ajuda -e muito- a melhorar a autoestima, a adquirir (ou aumentar) consciência social e a fortalecer laços sociais. E esses fatores, somados, ajudam a melhorar os indicadores individuais. 
Para os estudiosos, da mesma forma que aconselham pacientes a não fumar para prolongar sua vida, os médicos deveriam prescrever atividades voluntárias. Além disso, sugerem que governos e planos de saúde estimulem o voluntariado, pois isto ajudaria a diminuir os custos e a lentidão do atendimento do sistema.
Se programas de fortalecimento de voluntariado forem bem projetados, podem ao mesmo tempo fortalecer a sociedade, a saúde e qualidade de vida de um grande segmento de pessoas”, concluem Eric Kim e Sara Konrath, de Harvard.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Cultivo de horta caseira ajuda família a superar momento difícil

cpf meioambiente 2Há alguns meses, a família de Mara Teixeira colhe pimentão, hortelã, tomate cereja, manjericão, mostarda, salsinha, cebolinha, e cada almoço tem sido mais rico e saudável com alimentos vindos do quintal.
Mara, que é líder da Pastoral da Criança na comunidade Nossa Senhora Aparecida, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), assistiu a um programa de televisão e viu uma horta em garrafas pet. Isso serviu de inspiração para que iniciasse uma pesquisa na internet sobre como plantar em sua casa, junto com a experiência de toda vida, com uma infância muito feliz no quintal desta mesma casa - onde tinha abacate, goiaba, banana e ela estendia as roupas pegando uva direto do parreiral. Anos mais tarde, sua sobrinha construiu uma casa no terreno, o que fez com que essa plantação deixasse de existir.
Envolver as crianças e a família toda
Você já teve a experiência de colher uma fruta direto do pé e saboreá-la em seguida? De usar na principal refeição do dia um tempero colhido a poucos metros da sua cozinha? De ver seu filho orgulhoso por colorir o prato com verduras e legumes que ele mesmo semeou, acompanhou o crescimento e recolheu da terra?
Escolher alimentos mais saudáveis para toda a família faz parte da formação de um hábito importante para a saúde. Envolver as crianças nesta escolha desde cedo e incentivar que elas participem do cultivo e do preparo dos alimentos, contribui para o desenvolvimento saudável por toda a vida.

Oportunidades para novos desafios

Em outubro de 2013, Mara saiu da escola onde trabalhava como merendeira e tinha contato com muitas crianças. E também seu cachorro, que cuidava com tanto carinho, morreu. Apesar do sofrimento, Mara passou a ter tempo para se dedicar, por em prática seus conhecimentos com plantas e procurar novas atividades. Passou a ser líder da Pastoral da Criança, envolveu-­se com artesanatos e atividades ligadas à terceira idade, tornando­-se de novo ativa e envolvida com sua comunidade. Vende os artesanatos que produz e expõe nos eventos de Casa Aberta da Pastoral da Criança.
Todos os dias de manhã e à tarde, ela rega suas plantas e gasta para isso cerca de 20 minutos. Relata que água nunca foi um problema. As plantas estão em garrafas pet, vasilhas de plástico e jardineiras. Com a participação da família, vem aprimorando seus conhecimentos sobre separar as mudas para que se desenvolvam melhor. Nos últimos tempos, porém, observaram o aparecimento de pragas na mostarda e estão tentando combatê-­las.
Dra. Zilda
“Agradeço a Deus porque você tem consciência de que as crianças são o futuro do Brasil e do mundo”.
Papa Francisco
"É necessário encontrar modos para que todos possam se beneficiar dos frutos da terra, não só para evitar que aumente o abismo entre quem mais tem e quem deve se contentar com as migalhas, mas sobretudo, por uma exigência de justiça, equidade e de respeito pelo ser humano”.

Reaproveitar para economizar

Para iniciar o plantio, a líder utilizou terra comprada no mercado, mas percebeu que esta terra não era de boa qualidade e era cara. Então, resolveu criar o seu próprio composto orgânico, misturando a terra do seu quintal com folhas secas, cascas e restos de alimentos em um recipiente de isopor com tampa, forrado com plástico.
Mara recebeu mudas de capim limão e tomate cereja de vizinhos e também doou para a escola e para vizinhos seu manjericão, outros produtos e sementes da horta. Fazendo a secagem das sementes, replantou os tomates e pimentões. Hoje, diz que não precisa mais comprar temperos, pois utiliza do próprio cultivo.
Toda a família é muito envolvida com a horta. Ficam entusiasmados quando notam o crescimento das plantas e mal podem esperar para colhê­-las e consumí­-las. Mara demonstra alegria quando se refere a horta: “É como se eu estivesse embalando um neném”.

quinta-feira, 16 de março de 2017

20 formas básicas de motivar




1. Colocando o membro numa posição nova de autoridade
. Nunca promova alguém simplesmente porque ele está na igreja há muitos anos ou porque ele tem trabalhado duro, mas reconheça os frutos.

2. Dando apropriado reconhecimento, louvor, elogio e encorajamento.
 Estas são indiscutivelmente as mais importantes recompensas que um líder pode dar para aqueles que trabalham com ele. As pessoas precisam saber que são queridas e apreciadas (Pv. 15:23). Lembre-se que as pessoas tendem a retribuir a atitude que o líder demonstra em relação a elas. Se um líder honra e serve aqueles a quem lidera, ele muito provavelmente receberá honra e reconhecimento em resposta. Todavia evite recompensar qualquer ato insignificante pois isso pode desvalorizar seu elogio.

3. Envolvendo a pessoa no processo de tomada de decisões.
 Isto demonstra que ela é importante e sua opinião confiável para nós. As pessoas apóiam aquilo que elas ajudaram a criar.

4. Investindo em treinamentos que possam melhorar o desempenho da equipe.
 Invista para trazer pessoas que possam efetivamente melhorar o desempenho da equipe. Isto obviamente dá oportunidade para que a pessoas aumente as suas habilidades e campo de atuação na igreja.

5. Dando maior liberdade de ação e de tomadas de decisão
. Pastores são sempre temerosos de darem maior liberdade aos seus líderes porque temem perder o controle ou que algo ruim aconteça. Todavia permita o máximo possível que seus líderes sejam os seus próprios chefes. Isso estimula a criatividade e a responsabilidade.

6. Fornecendo suporte financeiro.
Para a maioria dos irmãos isto não seria aplicável, mas a situação é diferente quando se trata de alguém que tem dado tempo integral ao trabalho da igreja.

7. Estando certo de que o trabalho está sendo feito pela pessoa certa.

Se alguém está tentando fazer algo para o qual não foi preparado ele gastará uma quantidade enorme de energia com pouco ou nenhum resultado. Lembre-se porém que as vezes o problema é que a pessoa não foi treinada, ou não recebeu direção do que efetivamente deve ser feito ou porque não tem as ferramentas necessárias para a tarefa.

8. Demonstrando honesto interesse e cuidado pelas pessoas a quem lideramos, isto é, estando consciente de suas necessidades, temores e ambições. Líderes frios, insensíveis, desinteressados, impessoais e indiferentes raramente conseguem a colaboração plena da igreja. Um líder nunca deveria parecer estar mais preocupado com seus próprios interesses do que com o povo a quem lidera. Se o povo percebe que está apenas senso usado pelo líder sua motivação cairá rapidamente.

9. Estando certo de que cada líder tem tudo o que é necessário para liderar com eficiência.
É impressionante ver como as pessoas se motivam ao trabalho quando há algum equipamento novo para ser manuseado. A área de música é particularmente sensível a isso, mas outros equipamentos como infraestrutura de secretaria, fotocópia e computador podem ser fonte de motivação prá toda a liderança..

10. Reconhecendo o valor do trabalho realizado
.
Isto deveria preferivelmente ser feito publicamente, mas pode também ser feito através de reuniões especiais como um jantar com os líderes, fazendo uma dedicação ou unção pública ou mesmo através de uma simples carta de reconhecimento do pastor.

11. Demonstrando sincera apreciação.
É muito importante deixar o obreiro perceber que é reconhecido. Se alguém trabalha e o seu trabalho nunca é percebido ou mencionado, por fim ele se perguntará se o seu trabalho é realmente importante. Pessoas que são reconhecidas tornam-se mais seguras e dispostas a fazer muito mais.

12. Estabelecendo padrões altos (mas razoáveis).
Não permita que pessoas sejam constituidas como líderes sem critérios claros. Não tenha receio de que uma atitude assim possa desmotivar as pessoas. Ninguém deseja fazer parte de algo desorganizado e medíocre. Por outro lado sentimo-nos honrados quando somos postos como líderes em uma organização onde todos reconhecem o alto nível de seus líderes. Num primeiro momento pode desmotivar a massa do povo a se tornarem líderes, mas por fim servirá como uma triagem onde somente os mais sérios e comprometidos se disporão para o trabalho.

13. Mantendo o povo bem informado.
Uma informação apropriada serve como poderoso agente motivador. Precisamos dar informações precisas sobre alvos alcançados, gerenciamento financeiro e andamento da obra. Use todo tipo de comunicação visual: boletins, cartazes, banners, etc.

14. Certificando de que a igreja está crescendo e os alvos estão sendo alcançados.
As pessoas gostam de saber que estão associadas a algo que está obtendo sucesso. Lembre-se que a mediocridade tende a reproduzir-se, ou seja, líderes medíocres tendem a se reproduzir nos liderados. Ninguém quer torcer para um time derrotado, mas todos se motivam quando seu time está ganhando. Um alvo alcançado é uma alavanca na motivação de todos os membros.

15. Criando um ambiente estável e seguro.
Se o povo percebe que o pastor planeja partir ou planeja ficar por um período curto na igreja isso vai produzir instabilidade e desmotivação. Todos nós tememos crises e na iminência delas ficamos ansiosos e apáticos.

16. Celebrando cada alvo alcançado
Isto é particularmente importante para a equipe de líderes. A simples idéia de se pertencer a uma equipe coesa é altamente motivante. Todas as vitórias devem ser celebradas. As celebrações são o combustível para novas realizações. Seja festivo e comemore aniversários e outros eventos importantes para os membros da equipe.

17. Estando certo de que cada um atingirá o alvo proposto.
Não há nada mais desmotivante que o fracasso. Todo pastor é também responsável pelo fracasso de seus líderes na medida em que podemos impedi-los de começar algo que sabemos que eles não podem realizar.

18. Dando liberdade para erros e equívocos.
Isto vai produzir em nossos líderes a coragem para correr riscos, tomar a iniciativa e serem criativos. Não precisamos temer dar esta liberdade porque não existe nada que um líder deseje evitar mais que os erros. Se nossos líderes têm recebido o treinamento apropriado não precisamos nos preocupar com os possíveis erros. Eles serão apenas mais uma oportunidade de crescimento e aprimoramento.

19. Fazendo críticas apropriadas e construtivas.
Quando você tiver de criticar alguém lembre-se de elogiar a pessoa e criticar apenas o trabalho. Não devemos temer fazer correções pois a falta delas apenas estimula o relaxo e a mediocridade. Jamais comece uma conversa pela crítica porque isso coloca as pessoas na defensiva e nessa possição elas não nos ouvem. Comece elogiando e realçando os seus pontos fortes e só então introduza as críticas. Ao final da conversa ofereça sua ajuda e suporte demonstrando à pessoa que ela tem a nossa confiança para realizar o trabalho.Uma crítica adequada deveria conter pelo menos quatro elementos:
     -  Deveria levar a pessoa a entender claramente o seu erro;
     -  Deveria mostrar a pessoa como corrigir eu erro;
     -  Deveria demonstrar à pessoa que ela é apreciada e que o seu trabalho é relevante;
     -  Deveria encorajar a pessoa a fazer o melhor no futuro.

20. Fazendo correções necessárias.
Quando alguém está tornando-se deliberadamente preguiçoso e relaxado é melhor sermos diretos e objetivos. A pessoa precisa perceber que sua atitude está prejudicando o trabalho como um todo. Todo líder deve entender que às vezes é necessário utilizarmos nossa autoridade para o bom andamento da obra. Isto pode parecer desmotivante para quem é indisciplinado, mas é altamente motivante para os demais membros, pois demonstra sinal de firmeza e segurança e de que não vamos desistir de nossos objetivos finais. Ministério Pastoral IMGD

segunda-feira, 9 de março de 2015

Celebração da vida e suco natural na comunidade Santa Edwiges

Sábado dia 7 realizamos a celebração da vida na comunidade e graças a uma doação de uma família assistida pela pastoral fizemos aquele suco natural. Com deliciosos maracujás o suco ficou nota dez, as crianças tomaram tudo, saboreando um delicioso lanche com bolo e frutas.
É um trabalho gratificante, mas precisamos de voluntários.


Maracujá
Na polpa há vitaminas do complexo B, C, vitamina A, sais minerais além de um potente vermífugo identificado nas sementes. O poder sedativo do maracujá é real e pode baixar a pressão.
Suco de maracujá
Ingredientes:
- polpa de 1 maracujá
- gotas de limão
- água 
a gosto.

Modo de preparo: bater no liquidificador e servir gelado. Pode ser coado.
Goiaba
A goiaba é rica em potássio, vitamina C, ferro, fósforo e cálcio. É eficaz para o aumento da imunidade, protege do câncer, mantém a pressão arterial controlada, aumenta a produção de sangue, previne o envelhecimento, faz bem para a pele, olhos e ainda melhora a digestão..
 Suco de goiaba
Lave duas goiabas, pique-as e coloque no liquidificador. Bata a mistura até ficar uma consistência cremosa. Adicione água a gosto.O ideal é tomar três vezes na semana.

Na roda de conversa entregamos a receita do suco de maracujá e a sugestão de um suco de goiaba.




As crianças subiram na goiabeira e comeram várias frutas.



futebol dos irmãos maiores


fila para lavar as mãos

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45)

cartaz campanha da fraternidade 2015 eu vim para servir1Com o tema "Fraternidade: Igreja e Sociedade" e com o lema "Eu vim para servir" (cf. Mc 10,45), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lança, nesta quaresma, a Campanha da Fraternidade 2015. Anualmente, a Igreja Católica escolhe um tema de relevância eclesial ou social como proposta de reflexão e ação, durante um período de 40 dias em preparação para a Páscoa.
Depois da páscoa, a Campanha segue motivando diversas ações em comunidades e paróquias de todo o Brasil. A Campanha da Fraternidade desse ano, quer recordar, de modo especial, a vocação e missão do cristão e das comunidades na sociedade. Esta campanha acontece após 50 anos de um encontro entre bispos realizado em Roma, o Concílio Ecumênico Vaticano II, que na época definiu novas diretrizes para a Igreja Católica no mundo.
Recordando as conclusões do Concílio Vaticano II, a Campanha da Fraternidade propõe uma ampla reflexão sobre o papel do leigo na sociedade, seja no trabalho, na escola, na comunidade, nas entidades de serviço humanitário e em todas as esferas sociais onde somos chamados a dar testemunho e colaborar com a transformação da realidade e a melhoria da qualidade de vida. Participe na sua comunidade das reflexões e propostas de ação dessa Campanha. Busque informações na paróquia mais próxima de sua residência.

“Nós temos que estar sempre atualizados para ver como nos tornar mais úteis e necessários em épocas de transformação”, afirma Dom Aldo.

Todo ano, na quaresma, que se inicia na quarta-feira de cinzas, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lança a Campanha da Fraternidade. Para este ano, foi escolhido o tema “Igreja e Sociedade” Além de incentivar a todos na busca pelo bem comum, a campanha pretende fazer com que as comunidades conheçam os serviços mediante os quais a Igreja se faz presente e solidária. Sobre a Campanha da Fraternidade 2015, confira a entrevista com Dom Aldo Di Cillo Pagotto, arcebispo da Paraíba e presidente do Conselho Diretor da Pastoral da Criança.

A Campanha da Fraternidade deste ano, tem como tema “Fraternidade, Igreja e Sociedade”. E como lema: “Eu vim para servir”. Por que foi escolhido este tema e este lema?

Como a Pastoral da Criança faz
A Igreja é serviçal da humanidade. Não cabe à Igreja substituir a missão do Estado, mas cabe à Igreja corroborar, colocar-se na disponibilidade, naquilo que puder para engrossar o que nós chamamos de voluntariado. E nós queremos então saber quais entidades e onde nós podemos servir, onde podemos ser úteis.

Qual é o objetivo principal da Campanha da Fraternidade deste ano?

A finalidade da campanha é levantar ações, associações, ONGs, clubes de serviços, serviços voluntários, enfim, tudo aquilo que trabalhe com a caridade, com a promoção humana. Sobretudo, na área de educação e da saúde. Então visualizar isso, fazer um painel das possiblidades dos serviços voluntários e a gente ver: onde eu posso caber? Onde é meu lugar? Onde é meu espaço? E me oferecer. Isto é o que a Igreja quer fazer.

O foco principal da campanha é o serviço. Como é possível colocar isto de forma prática em nossas comunidades?

É muito prática e eu agradeço sua pergunta, porque é o que nós queremos saber. Então, na sua paróquia, que serviços existem nas pastorais chamadas pastorais sociais? Onde eu posso caber? Não necessariamente só na Igreja, mas você pode muito bem frequentar e dizer como serviço voluntário: “Eu quero abraçar o Hospital do Câncer, que tem milhares de coisas para fazer lá”. Na Pastoral Carcerárea, quanto tem pra fazer, para resgatar, recuperar. Tem a questão da droga, quantos pais necessitados de orientar os seus filhos e filhas… São essas coisas, bem concretas. É isso que você tem que ver. Se não tem na sua paróquia, veja na prefeitura, em determinados clubes de serviço. Na hora de fazer a caridade, você tem que ver onde você pode caber, onde que você é útil.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Quero ser voluntário na Pastoral da Criança


A preocupação com a cidadania e consequentemente com o outro, vem despertando sempre mais uma consciência social para o voluntariado. A construção de um mundo justo e fraterno, depende em primeiro lugar de nós mesmos, mas é preciso agir também. E há muitas coisas a fazer, uma delas, é colocar-se a serviço do próximo como voluntário.

O voluntariado é a base do trabalho realizado pela Pastoral da Criança. Cada um faz a sua parte em prol do bem comum. Os voluntários propagam diariamente fé e vida entre as crianças, famílias e gestantes acompanhadas, em milhares de comunidades em todo o Brasil.

Onde a Pastoral da Criança atua?

A atuação da Pastoral da Criança acontece nas comunidades com crianças menores de seis anos, principalmente aquelas, cujas famílias precisam de mais orientação nas áreas da saúde, educação, nutrição e cidadania.

A quem devo procurar para contribuir com a Pastoral da Criança?

Para se tornar um voluntário, procure o coordenador da paróquia mais próxima de você. Também pode fazer contato através do fale conosco

Como posso atuar na Pastoral da Criança?

A atuação voluntária na Pastoral da Criança pode ser realizada de diversas formas, dependendo da sua vontade e disponibilidade de tempo. Você pode atuar como:

Voluntários capacitados:

lider

brinquedista


brincador

articulador


capacitador


Outros voluntários

apoio


comunicadores

 MG 8469


palestrante